Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/4111
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorAlmeida, Juliana Evangelista dept_BR
dc.contributor.authorBarros, Letícia Miranda-
dc.date.accessioned2022-06-14T15:50:03Z-
dc.date.available2022-06-14T15:50:03Z-
dc.date.issued2022pt_BR
dc.identifier.citationBARROS, Letícia Miranda. Resolução de conflitos dentro dos games. 2022. 47 f. Monografia (Graduação em Direito) - Escola de Direito, Turismo e Museologia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2022.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.monografias.ufop.br/handle/35400000/4111-
dc.description.abstractO presente trabalho se propõe a discutir a possibilidade da autorregulamentação da Riot Games ao concentrar na própria plataforma e nas mãos de seus jogadores a resolução de conflitos como uma forma pré-contenciosa quando descumpridos os Termos de Uso e Códigos de Conduta criados pela empresa e consentidos pelos usuários ao adentrar na plataforma. A presente discussão foi baseada em uma pesquisa de estudo de caso do jogo League of Legends, em específico o sistema de “Tribunal” e uso de inteligência artificial, com uma revisão jurídica e literária sobre os temas. Dessa forma, o trabalho ressaltou que em um contexto de abundantes litígios no país e um crescimento exponencial de jogos eletrônicos que acarretam inúmeros conflitos devido ao comportamento tóxico dos jogadores, é necessário o desenvolvimento de formas criativas de resolução de conflitos de maneira pré-contenciosa no mundo dos games.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectConflitospt_BR
dc.subjectPré-contenciosopt_BR
dc.subjectCriatividadept_BR
dc.subjectJogopt_BR
dc.titleResolução de conflitos dentro dos games.pt_BR
dc.typeTCC-Graduaçãopt_BR
dc.contributor.refereeSchettini, Beatrizpt_BR
dc.contributor.refereeAndrade, Kelly Christine Oliveira Mota dept_BR
dc.contributor.refereeAlmeida, Juliana Evangelista dept_BR
dc.description.abstractenThe present work proposes a contestation company to the possibility of self-regulation of games and concentration on the platform itself and on conflict resolution as a form of pre-litigation of its terms of use and driving codes created by and consented to by users when entering on the platform. The present discussion was based on a study of the case study of the League of Legends game, specifically the “Court” system and the use of artificial intelligence, with a review of the literature on the topics. The way in which the work highlighted the work that, in this way and from a set of diverse litigations, produced a context of development of complex games, confrontations with the behavior of products, it is necessary or of creative ways of resolving conflicts in a pre-contentious way.pt_BR
dc.contributor.authorID17.1.6139pt_BR
Appears in Collections:Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MONOGRAFIA_ResoluçãoConflitosDentro.pdf1,62 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons